• Gustavo Candiota

Entenda a guerra de preços no câmbio


O mercado de câmbio é algo extremamente dinâmico, sensível e, principalmente, volátil. Não apenas na cotação oficial do Banco Central, mas nas taxas de câmbio turismo das empresas que vendem papel moeda. Já perceberam?

Guerra do câmbio

Mas por que? Qual a explicação para tanta alteração de preços nas corretoras que você pesquisa? As vezes parece não haver muita lógica nas taxas aplicadas sobre o câmbio comercial quando fazemos comparações de preços. Os descontos parecem mudar de forma desproporcional de um dia pro outro! Você anotou um preço hoje, deixou para confirmar amanhã, ficou feliz ao ver que o Dólar caiu e, ao consultar a mesma instituição, adivinhe: está mais caro!

Você não está louco. Isto realmente pode acontecer. E é comum. Mas... apenas em casas de câmbio que não possuem critérios rígidos, organizados e justos para compor suas taxas. Ou nas que mudam os cálculos constantemente, muitas vezes porque optaram por participar da... guerra de preços no câmbio.

Diferentemente da clássica lei da oferta x demanda, onde em outros setores os preços são reduzidos com baixa procura e elevados quando ocorre o oposto, no câmbio existe uma combinação de fatores muito maior para se chegar a uma taxa de papel moeda. Quais sejam:

  1. Custo de moeda que a casa de câmbio possui com seu banco;

  2. Percentual de repasse que esta casa precisa sacrificar para sua corretora parceira, ou banco;

  3. Quantidade de moeda em estoque e o preço médio desta moeda: sempre mudando, pois cada dia a casa de câmbio compra a um preço diferente, conforme variação cambial;

  4. Tendência do mercado: se câmbio em alta, reduz-se as margens, se em queda aumenta-se;