• Gustavo Candiota

Vistos consulares: não se aventure sozinho

Atualizado: Abr 1


Prezados leitores, boa tarde! Estava eu conversando com familiares neste sábado sobre viagens futuras aos Estados Unidos (sempre é bom planejar nova visita ao sonho americano!) e o comentário de um deles motivou-me a fazer este post:

- "Preciso renovar meu visto. Está vencido. Vou desta vez eu mesmo fazer todo o processo, da última vez desperdicei R$XXX,XX reais com uma assessoria".

Não meu amigo. Você não desperdiçou. Você INVESTIU.

E deve fazer o mesmo de novo. Vou explicar porque.

Brasileiros, em sua maioria, tem mania de querer economizar em tudo, em qualquer que seja a despesa, por mais ínfima e microscópica que seja. Leia exemplo com gasolina aqui. Além disso, temos o costume de querer mostrar aos amigos e parentes que conseguimos vantagens em relação ao próximo em todo o tipo de situação. Na esfera das viagens ao exterior, principalmente quando viajam em grupo e os componentes dele se organizam separadamente até o embarque, alguns exemplo hipotéticos que fazem um se vangloriar sobre o outro são:

  1. "Consegui o dólar 1 centavo abaixo do que o Tio João e economizei 5 reais!"

  2. "Achei promoção com desconto para alugar o carro no dia seguinte que o primo Luis reservou o dele. 2% de desconto!"

  3. "Deixei a compra da passagem pra última hora, mas consegui um preço bem menor numa promoção-relâmpago.

  4. "Vou deixar para comprar os ingressos dos parques lá" (depois que todos já compraram) "porque um amigo meu disse que é mais barato".

  5. "Vou fazer meu visto por conta própria, não sei porque a tia Judith pagou pra isso."

  6. "Consegui meu hotel pela metade do preço da prima Anastácia. Pelo que entendi é numa região chamada Orlando High Hills Far Away Park."

  7. "Vou economizar no seguro viagem porque sou o mais jovem da família e difícilmente fico doente."

Ou seja, é um festival de "vou tentar conseguir mais vantagens que o outro", e nenhum se dá conta que haverão custos inesperados depois, surpresas desagradáveis, ingressos esgotados OU, foco do nosso post... tcharãmmmm... VISTO NEGADO. E aí campeão? O que fazer agora? Solução: troque o país destino e viaje sozinho amigo.

Mas como este post é um alerta e certamente você está lendo ANTES de planejar sua viagem com namorada, mãe, sogra, avô, tia encalhada, papagaio e cachorro, seus problemas acabaram! Ou evitamos que eles fossem acontecer.

E por que o foco na questão do visto? Porque de todos os itens necessários para sua viagem, ele é o único que, se mal organizado ou economizado pode IMPEDIR você de viajar. Por isso, pela experiência que tenho em viagens e a proximidade que tenho do setor de turismo, filho de alguém que já trabalhou décadas no ramo, que já viu sofrimento de passageiros aventureiros e depois arrependidos, reforço: contrate uma assessoria de vistos consulares. Além de economizar seu tempo, este tipo de empresa vai entrevistar você, analisar seu perfil, sua situação no Brasil, seu objetivo no país estrangeiro e assim elaborar sua documentação de forma a reduzir quase a zero sua chance de ter a permissão negada. Ao chegar na entrevista do consulado, a papelada vai estar perfeitamente organizada conforme os agentes querem ver, evita até mal-humor dos mesmos. E bom humor significa, acredite, mais chance de visto aprovado. Não irrite essas pessoas, falo sério. Principalmente se o visto for para fins de estudo e trabalho.

Para os que entenderam a importância do que falei e já estão revendo seus conceitos sobre o caso, verifique com seu agente de viagens a empresa mais indicada para auxiliá-lo. Minha recomendação é pela Sul Vistos