• Gustavo Candiota

O que fazer com os dólares ou euros que sobram da viagem

Atualizado: há 11 horas


Ok, vamos combinar: é difícil de acontecer. Mas quando acontece, existem diversas alternativas. Descreveremos hoje os prós e contras de cada uma para que você tome a melhor decisão caso o consumismo não tenha consumido seus bolsos em sua última viagem ao exterior. Veja abaixo.

1) Vender na sua casa de câmbio de confiança

Prós: dinheiro em reais na sua conta bancária em até 1 dia útil para pagar as contas brasileiras que venceram durante seu período fora do país.

Contras: você perderá dinheiro na conversão de câmbio, mesmo que a moeda tenha subido no mercado nos últimos dias. Sim, não tente especular com o objetivo de ganhar alguns centavos. Não vale a pena. Se nestas horas você ouvir algum "especialista" dizendo algo como "espere o dólar subir e venda e depois espere o euro cair e compre", não dê qualquer credibilidade à pessoa. Ela apenas quer faturar 2x com o cliente.

2) Guardar para a próxima viagem

Prós: o melhor negócio para quem viaja com frequência. Não há novas perdas com conversões de moeda.

Contras: se ainda não há no horizonte um próximo destino, pode haver depreciação das cédulas e deságio na cotação se você precisar vender às casas de câmbio no futuro. Importante: por "guardar para a próxima viagem" entenda como "viagem para o próximo país que aceita especificamente a moeda que sobrou".



3) Transformar o dólar em euro ou vice-versa

Prós: não tem. Exceto se a troca for no país da nova moeda desejada. Ex: Tenho dólares e vou comprar euro com eles em uma casa de câmbio na Alemanha. Não faça isso no Brasil!

Contras: é o pior negócio. Exemplo: digamos que você quer fazer um câmbio de dólar para euros no Brasil, ja que recentemente voltou dos EUA e no próximo ano vai à Europa. Não faça isso! Pela legislação, no câmbio oficial, é necessário primeiro vender os dólares, transformando em reais e depois comprar os euros. Ou seja, 2 câmbios. 2 vezes em que você perde poder de compra com o ganho da corretora.

4) Vender para um amigo no câmbio paralelo

Prós: é possível chegar a um "câmbio ideal" para as duas partes

Contras: trata-se de câmbio não oficial, o que configura crime contra o sistema financeiro. Se os valores são pequenos e entre pessoas de confiança, contudo, não há maiores problemas.

5) Gastar o que sobrou nos free shops de aeroporto

Prós: Não sobra nada

Contras: Não sobra nada.