• Gustavo Candiota

O Calvário do Bitcoin. Até onde vai?


Trabalhei por bastante tempo com um grande economista em uma corretora de valores de Porto Alegre, entre 2010 e 2013. Em algumas de suas palestras, ele definia em uma frase os prejuízos astronômicos que os investidores identificavam somente após entenderem no que estavam aplicando:

"Quando a sirene do tsunami toca, os corpos já estão boiando."

Algo semelhante ocorre hoje com os especuladores do Bitcoin. Estariam eles agora boiando e a sirene tocou? Talvez. Vamos tentar explicar porque, em nossa opinião, foi possível prever o que está acontecendo.

Primeiramente, entenda nossa opinião sobre a tecnologia, os riscos e as recomendações que fizemos em 18/12/2017, clique aqui para acessar o artigo no arquivo do Blog do Câmbio. coincidentemente foi escrito em uma data que hoje percebemos ter sido o topo histórico da criptomoeda. Pelo menos até agora. Queremos deixar claro o acaso, pois talvez numa situação dessas muitos concorrentes ditos "especialistas de mercado e de câmbio" aproveitariam para fazer marketing divulgando que "anteciparam o movimento e avisaram todos os seus clientes sobre a queda que estavam por vir". Ou uma alta, no caso do dólar. Nós não. Resolvemos naquela quarta-feira, há 1 mês atrás, apenas comentar sobre o assunto mais falado do momento, após muitos internautas e clientes de nossa assessoria solicitarem mais informações.

Para também mostrar que não foi um alerta isolado, ouçam minha participação no programa Radio Livre, da Rádio Bandeirantes RS FM 94.9 em 11/01/2018 quando novamente alertei para os riscos de investir em Bitcoin. Obs: Avançar até 01h40m para ouvir o comentário.

Voltando ao comentário do economista e tentando traduzi-lo:

Muitas pessoas entram em um mar que parece calmo e maravilhoso, nadam por uns dias num lugar semelhante ao paraíso, acreditam que encontraram a felicidade mas... de uma hora pra outra percebem que o chão tremeu forte... e um tsunami avassalador aparece no horizonte, em poucos segundos atropelando tudo o que vê pela frente. É tão rápido que quando a sirene de alerta é acionada pelas autoridades, todos já foram engolidos pela água e seus corpos estão boiando.

Comentário pesado, não? Mas é nessa linha de raciocínio o que estamos vendo hoje com o Bitcoin. Por quê?

Para nós que acompanhamos atentamente há alguns meses o ativo (mais de longe, há anos), temos interesse em fazer parte, já iniciamos alguns contatos e estudamos possíveis parcerias, mas ainda adotamos extrema cautela para começar a aplicar e recomendar aos clientes, ficamos incrédulos ao perceber que:

  1. Poucas pessoas estão estudando de verdade a tecnologia do blockchain e suas limitações;

  2. Poucas pessoas estão pesquisando sobre as chances de roubo ou hacking de bitcoins;

  3. Muitas estão investindo percentuais grandes de seu capital apenas "para não ficar de fora";

  4. Muitas estão investindo por entrarem na conversa do "chega de pagar taxas para os grandes bancos";

  5. Quase ninguém está acreditando no poder dos Banco Centrais e governos para controlar o avanço da nova tecnologia;