• Gustavo Candiota

Esclareça suas dúvidas sobre declaração de câmbio no IRPF

Atualizado: Ago 6


Voltamos a abordar o tema neste período em que milhões de contribuintes possuem muitos questionamentos acerca do que declarar quando o assunto é câmbio. Seja para operações de compra de papel moeda, remessas ao exterior ou do exterior, ou até quando fazemos carga em cartão pré-pago. O que deve ser lançado e o que não precisa?

Para esclarecer em detalhes algumas das principais dúvidas que recebemos por email, consultamos a Advogada Priscila Corrêa Macedo OAB/RS 95.128, formada pela ULBRA e pós-graduada em Direito Registral e Imobiliário. Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

câmbio no imposto de renda

(1)

Blog do Câmbio: Quais operações de câmbio devem ser obrigatoriamente declaradas no ajuste anual do IRPF? Quais podemos desconsiderar?

Dra. Priscila Macedo:

" Primeiramente os valores de qualquer natureza, os ativos em moeda e os bens e direitos fora do território nacional por pessoa física ou jurídica residentes, domiciliadas ou com sede no País, como muito bem explicado no Blog do Câmbio no ano passado (Data: 14/04/17. Link para o post aqui), as operações de câmbio que necessariamente devem ser declaradas são as que envolvam dinheiro em moeda ou em cartões pré-pago que possuem o mesmo fim, se o seu saldo for superior a R$ 140,00, os valores recebidos do exterior, tanto de pessoa física quanto jurídica, e lembrando que todas essas modalidades acima, também realizadas por seu cônjuge se este (a) for seu dependente.

As informações que deverão constar na declaração são relacionadas às seguintes modalidades:

  • Depósito no Exterior;

  • Empréstimo em moeda;

  • Financiamento;

  • Arrendamento mercantil financeiro;

  • Investimento Direto;

  • Investimento em portfólio;

  • Crédito comercial;

  • Aplicação em instrumentos financeiros derivativos;

  • Outros investimentos, incluindo imóveis e outros bens.