• Bruno Ely

Como a alta do dólar aumenta o custo de vida no Brasil e como se proteger


Acompanhar os movimentos do dólar é uma rotina bastante comum para quem é investidor. Afinal, grande parte dos ativos no Brasil, de juros a ações na bolsa, até moedas estrangeiras, variam para cima e para baixo em decorrência das oscilações do dólar. O que passa desapercebido para a maioria é que parte importante do nosso custo de vida aqui no Brasil também está atrelado aos humores do câmbio. Hoje vamos falar sobre como essas mudanças no dólar impactam o nosso bolso e como se proteger destas oscilações.

1) Como o Dólar impacta o Custo do Combustível

Um dos principais canais de transmissão de aumentos do Dólar no custo de vida do brasileiro ocorre no custo de combustível.

No Brasil, desde meados de 2017, o preço dos combustíveis como álcool, gasolina e diesel, passaram a ser atualizados diáriamente nas refinarias, seguindo uma política de acompanhando os preços internacionais do petróleo e a cotação do dólar.

A novidade deixa as empresas do setor mais competitivas no Brasil, pois evita que as margens fiquem a mercê do câmbio, mas deixa o bolso de nós consumidores bastante mais vulneráveis.

Variações de 10 a 15% no preço dos combustíveis num período de 2 meses agora são comuns, e o consumidor que não tomar cuidado pode ter uma surpresa no aumento do seu custo de vida.

2) Dólar vs. Cesta Básica

Os produtos do dia-a-dia comprados em supermercados, que alguns órgão de pesquisa chamam de "produtos da cesta básica" acabam também tendo uma forte variação de preço derivada do câmbio.

Produtos como farinha de trigo e macarrão usam como insumo o trigo que é em grande parte importado e que tem aumentos de preço imediatos com o aumento do dólar.

Carnes bovina, de frango e suina também sofrem bastante com o câmbio, mas por um fator diferente: a concorrência com o setor externo. Com o dólar valorizado os produtores ampliam as exportações de carnes, e colocam menos produto no mercado interno, o que pressiona os preços para o consumidor no Brasil.

Até produtos de limpeza tem no câmbio um grande ator da variação de preços. Isso porque a soda cáustica, insumo usado na maioria dos produtos de limpeza, mesmo sendo produzida no Brasil, é cotada em dólar, uma vez que também é exportada como alternativa para escoar a produção nacional a preços melhores.

Como cada fornecedor define sua política de reajuste de preços, os produtos de cesta básica, produzidos no Brasil em suma maioria, acabam tendo o efeito dólar mascarado no tempo, dificultando para o consumidor estabelecer a relação entre o aumento do preço na gôndola e o aumento do câmbio. Mas isso não quer dizer que a relação é menos importante, pelo contrário!

Para quem percebe um aumento recorrente do preço do seu produto preferido, vale a pena as vezes procurar marcas alternativas, que por vezes não usam os mesmos insumos importados e portanto podem ter preços menores e mais estáveis aqui no Brasil.