• Gustavo Candiota

2019 começa com forte queda no câmbio. Até quando?


Os primeiros dias de Governo Bolsonaro estão sendo animadores para os viajantes internacionais. O dólar americano já caiu quase 5% desde o início do ano e há espaço para mais quedas. Pelo menos especulativas. Por que especulativas?

Na nossa opinião, enquanto as tão importantes reformas não ocorrerem, o movimento de investidores no Brasil é por apostas, de alto risco. Ou seja, por enquanto o que vemos é um mercado bastante animado, podemos dizer até eufórico, com a mudança de viés ideológico pelo qual o país acaba de passar. Desde a volta da República, não tínhamos um presidente tão "à direita" como hoje e isso agrada aos players que procuram países baratos para aplicar seu dinheiro. Por baratos, leia-se: emergentes. Ex: Brasil, India, China, Colômbia...

Mas, quem está apostando pode ser um pouco louco, mas não é burro. Dentro de algumas semanas ou poucos meses, se os investidores começarem a concluir que as votações no congresso estão difíceis, que reforma da previdência virou lenda e que Paulo Guedes não conseguiu botar em prática seu plano inicial, a credibilidade do país piora e a força do Real também. No entanto, como todos sabem que os novos líderes precisam de tempo, dentro do campo de apostas a empolgação é justificável. Os discursos de Bolsonaro e de Guedes inflamam empresários, empreendedores e todos os demais que são responsaveis pela cadeia produtiva de nossa economia. Há um sentimento de esperança no ar e isso faz com que decisões sejam tomadas. Muitas delas são decisões positivas que envolvem cifras milionárias, o que volta a aquecer nosso PIB.

Dissetar sobre tudo isso é importante pois um dos ativos mais sensíveis a estas mudanças é o câmbio. E as moedas sentiram os novos ares. Todas caem com força enquanto este post é escrito. Veja no gráfico abaixo. Observe que as três principais moedas estrangeiras tiveram comportamento semelhante em seu preço, mostrando que foi o Real que se fortaleceu e não que uma divisa específica caiu na paridade. No caso do dólar há uma volatilidade maior pois mais fatores influenciam em seu preço, principalmente externos.

Dólar americano com Bolsonaro

Dólar Americano x Real Brasileiro

Comportamento do Euro com Bolsonaro

Euro x Real Brasileiro

Comportamento da Libra com Bolsonaro