• Gustavo Candiota

Biden eleito. Mercado otimista. Qual a explicação?

Atualizado: Fev 4

Afirmamos em nosso podcast que o efeito "onda azul" poderia acontecer nos EUA, ainda que as chances fossem pequenas. O resultado disso poderia ser ruim na visão dos mercados, que teriam pouca esperança na recuperação econômica dos EUA com democratas na presidência, e em maioria na câmara e no senado.


Mas... investidores estão otimistas, bolsas recuperando pontuação quase a níveis pré-pandemia, e dólar em queda. Qual a explicação?



De forma objetiva, acreditamos em 3 motivos:

  1. Os players seguem confiantes de que os democratas não conseguirão maioria no senado, e isso muda totalmente o cenário. Sim, acredite, 7 dias depois ainda não está definido. Mas está quase. E republicanos em maior número nesta casa conseguem "controlar" Joe Biden. Foi assim no segundo mandato de Barack Obama.

  2. Boas notícias sobre vacina da covid19. A Pfizer anunciou 90% de eficiência nos testes da fase 3, sendo que os governos já cogitavam aprovar vacina com pelo menos 50%. Então temos algo a comemorar, e muito.

  3. Ao que tudo indica, muitos investidores resolveram "move on", ou seja, seguir a vida e pensar positivo. Virar a página, pensar no lado bom. Acreditam que uma eventual pacificação do país possa ajudar a economia e o futuro. Por uma análise superficial e especulativa, há confiança de que Biden botará fim à guerra comercial travada com a China, a qual Trump iniciou e não tinha data para terminar.


Resumindo, talvez estejamos entrando em um momento "Never bet against America" (nunca aposte contra os EUA). Um rali de mercado que vai trazer um ciclo próspero, mesmo que no campo especulativo por enquanto, não podemos esquecer disso. Siga com alguma cautela se você tem apetite por risco.