Transferwise: Como funciona, vantagens e desvantagens. Opinião.

11/04/2019

Depois de alguns questionamentos recentes, resolvemos "destrinchar" a fintech de remessas internacionais sensação do momento. Aquela que muitos Blogs anunciam como a 8a maravilha do mundo bradando um "chega de dar dinheiro aos bancos" e, "pela qual você paga dólar comercial". Concluindo que: "não existe nada parecido, minha vida mudou pra melhor. Economizo sempre." Será?

 

Daremos nossa opinião isenta. Vamos lá...

 

Primeiro: o que é Transferwise?

Conforme seu próprio site: "A TransferWise é um método simples e de baixo custo para fazer remessas internacionais"

 

Como funciona? Apesar de falar em "remessa internacional", o processo para viabilizar a demanda dos clientes é doméstico. Entenda no desenho abaixo, feito pela própria Transferwise.

 

Explicando: Não é realizada uma transferência internacional (SWIFT), e sim, uma troca de demandas invertidas. Ou seja, o dinheiro em reais correspondente ao que você quer depositar em dólares nos EUA, na verdade, fica na conta da Transferwise aqui no Brasil. Depois, se com recursos disponíveis, a conta americana local da Transferwise deposita o valor em dólares na conta beneficiária final. Ou seja, duas transações domésticas. Aqui é muito importante destacar: quando falamos de dólares, euros ou libras, as principais moedas, a tendência é sempre haver recursos, então os prazos são curtos. NO ENTANTO, se você está precisando, por exemplo, enviar R$ 1000 para um país mais exótico, como Pesos Filipinos, e a conta bancária da Transferwise nesta moeda nas Filipinas estiver com poucos depósitos locais (de filipinos querendo fazer o inverso), o tempo para finalizar a transação pode ser bem maior.

 

Este outro desenho abaixo do site internacional da Transferwise esclarece o que estamos falando:

 

Segundo, vamos às questões legais: Realizar câmbio com a Transferwise é 100% oficial e legalizado?

 

Inicialmente havia um receio de que este tipo de transação simulava uma espécie de dolar-cabo (troca de favores entre pessoas físicas, em diferentes países, com demandas inversas, totalmente fora do câmbio oficial), mas novas pesquisas e leituras fizeram termos segurança de que a autorização do Banco Central para operar existe, através do Banco Rendimento e MSBank.

 

Terceiro: qual o critério para a taxa de câmbio praticada? A informação de que a ferramenta utiliza câmbio comercial procede?

 

Sim e não. 

 

Pelo SIM, podemos dizer que o câmbio comercial é usado, mas da mesma maneira que todas as corretoras e casas de câmbio também utilizam: é a taxa base para, em cima, colocarem suas margens de lucro. Pelo NÃO queremos dizer que, assim como a concorrência tradicional, a Transferwise aplica spread no comercial, ou seja, sua taxa pode ser competitiva, abaixo da média, mas também possui acréscimo (lucro! E não é pouco). Para esclarecer o que estamos falando, fizemos uma simulação no site com um envio de R$ 4000 em dólares para os EUA. Veja telas e nosso comentário passo-a-passo abaixo. 

 

 

  1. Primeiramente, apresenta-se a cobrança uma tarifa de contrato (Fee), algo que todas as corretoras cobram, e algumas até isentam. Na cotação está cobrando 2,5% do montante total: R$ 101,66

  2. Descontada essa tarifa do valor a enviar, aparece qual o valor líquido que será convertido (R$ 3.898,34)

  3. Depois, apenas MOSTRAM qual o dólar comercial do momento (3.86), garantido como BASE DE CÁLCULO se o pagamento for feito em até 96 horas. 

  4. AQUI O MAIS IMPORTANTE: Observe que foi por fim informada a taxa VET, que é o chamado "Custo Efetivo Total", onde soma-se o comercial + spread de câmbio (lucro da empresa) + impostos + tarifa. Ou seja, qual a taxa de câmbio final somando todos os custos e impostos. Sendo assim, utilizando os preços da simulação acima, a taxa sem impostos está 3.945. Significa que há um spread (câmbio comercial >> cambio com lucro) de 2.2% + taxas e impostos se imaginada uma operação de remessa para terceiros / manutenção de residentes. A título de comparação: as corretoras de câmbio tradicionais costumam trabalhar na casa dos 3% de spread para transferências em dólar americano e montantes pequenos. Para valores maiores, dependendo do caso e se o cliente é recorrente, operam abaixo de 2%. Volume acima de 100 mil dólares pode ser possível conseguir 1.5% ou até menos.

 

Entenda: Não existe mágica no mercado de câmbio, ninguém trabalha de graça, não existe almoço grátis. O discurso "pare de dar dinheiro aos bancos e utilize Transferwise para pagar dólar comercial" contém um pouco de hipocrisia e até ingenuidade por alguns de seus defensores. Como a fintech se sustentaria se não colocasse "spread" (margem de lucro) no dólar, euro, libra ou qualquer outra moeda? Pois ela coloca. Se algum dono de blog que recomenda a ferramenta achou que só com pequenas taxinhas fixas de remessa seria possível sustentar uma multi-nacional gigantesca dessas se enganou. Falando em Blog, alguns relatos são tendenciosos, pois observa-se que praticamente todos, ao opinar com muitos elogios, fazem link para o site da Transferwise, pelo qual consegue-se visualizar um ID exclusivo. Por quê? Ganham um pequeno bônus pela indicação.


Mais uma observação: Não fica claro se a taxa VET nesta página inicial esta sendo calculada para remessa internacional de disponibilidade no exterior (alíquota IOF de 1.10%) ou para manutenção de residente (IOF 6.38%), o que induz um pouco o visitante ao erro, uma vez que ele pode estar comparando um tipo de enquadramento de remessa com outro da concorrência, onde os impostos, diferentes, afetam menos ou mais a taxa final, distorcendo o comparativo.


Mas então, o que exatamente a Transferwise tem de diferencial?

  1. Câmbio competitivo, abaixo da média das corretoras, para envio de dinheiro entre pessoas físicas.

  2. Tarifa de contrato (fee) menor do que a média dos bancos.

  3. Operação fácil e prática para quem é adepto à tecnologia, de perfil "me viro sozinho". Não há necessidade de contato com um ou mais profissionais ao longo do processo. Tudo pode ser feito pelo app.

 

E o que consideramos de pontos negativos?

  1. Não há garantia de prazo máximo. Dependendo da moeda e da quantidade pode variar de 2 a 10 dias úteis para enviar seu dinheiro. Em se tratando de divisas mais exóticas, como Rublo Russo por exemplo, não há prazo máximo garantido.

  2. Você não tem atendimento personalizado em caso de dúvidas ou problemas. Se houver erro no pagamento de sua TED/Boleto, necessidade de reembolso por arrependimento, se sua remessa voltar (bounce), o tempo para resolução poderá ser longo, pois o contato será com um call-center. Não há a figura do consultor de câmbio disponível 24 horas. Verificamos registros no site "Reclame Aqui" com clientes indignados em câmbios onde eles (clientes) cometeram erros e precisaram de apoio para corrigi-los, sem sucesso. 

  3. Não há garantia de controle de suas remessas para evitar riscos de problemas com Receita Federal, ou seja, de cair na malha fina. Você está por conta própria. Não há um "agente co-responsável" que está respaldando a autorização para envios ao exterior e será solidário em caso de esclarecimentos junto ao fisco. 

 

Conclusão sobre a ferramenta:

 

É um recurso pioneiro e revolucionário. Para usuários acostumados com tecnologia é fácil, econômico e prático. Recomendamos principalmente para as remessas enquadradas como "manutenção de residente" de necessidades não urgentes a pessoas que residem no exterior, para pequenos valores. Por pequenos, estamos falando do equivalente entre R$ 10 e R$ 5000 reais por operação. Nestes casos, a tarifa de contrato será melhor do que as de remessa swift das corretoras, que geralmente variam entre U$ 30 e U$ 60, nas remessas >= 50k. Pelo método tradicional você sai prejudicado se quer enviar entre R$ 1000 ou R$ 2000 só de tarifa paga em média R$ 200 de maneira fixa. Na Transferwise você economizará bastante ao longo do tempo se precisar fazer diversas transações pequenas a diferentes países, sem urgência. Ex: se mais de um filho mora no exterior e eles possuem necessidade mensais de recursos. Ex: para pagar o aluguel, curso ou alimentação.

 

No entanto, o marketing que destaca o diferencial da ferramenta dizendo que "você economiza até 8x em relação a bancos", não é verdade. Exceto se a instituição tradicional estiver praticando preços muito abusivos, de forma desonesta. 

 

Muitos investidores estão aproveitando a facilidade e as boas taxas para enviar grandes volumes de dinheiro, mesmo que de maneira fracionada (TW permite até R$ 30.000,00 por envio). O fazem com um lapso temporal grande para "não chamar a atenção da Receita". Por isso, a dica: se você precisa transferir montantes grandes, continue com seu consultor de câmbio. Se mesmo nos pequenos valores, você preza pelo suporte personalizado quando (se) os problemas acontecem, também. A diferença de spread de câmbio a menor pode não compensar uma vez que ela deixa o cliente muito mais desassistido. Aqui o barato pode sair caro.

 

Para transações entre pessoas jurídicas ou de físicas para jurídicas, recomendamos fortemente que você continue utilizando as instituições financeiras convencionais. Não se arrisque.

 

Se um dia você cair na malha fina devido a transações internacionais mal declaradas ou que não deveriam ter sido autorizadas, a TW não lhe dará qualquer apoio na resolução. Transação internacional é coisa séria, com alta regulação pelos Bancos Centrais. Podemos dizer que, sim, algumas burocracias e preços precisam melhorar, bancos e corretoras precisam se reinventar, ou que alguns métodos podem (e devem) ser substituídos. No entanto, quando se fala de câmbio, muito mais cuidados são necessários. Não é a mesma coisa que substituirmos os taxis por Uber e Cabify, ou torpedos por Whatsapp. 

 

Em se tratando de Mercado Financeiro e Receita Federal, o furo é mais embaixo.

 

 

 

Att

Gustavo Candiota

Diretor GC Prime Câmbio Inteligente

 

 

 

 

Please reload

C O M P A R T I L H E !
VOCÊ GOSTOU DESTE POST ?
BLOG DO CÂMBIO RECOMENDA